Páginas

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Tempo de reflexão


Tempo de reflexão



http://youtu.be/6AbfJ-wvMPY




Filtro Solar

Pedro Bial

Filtro solar!
Nunca deixem de usar o filtro solar
Se eu pudesse dar só uma dica sobre o futuro seria esta:
Usem o filtro solar!

Grandes empreendedoras


Grandes empreendedoras
Por trás de grandes empreendedores existem também empreendedoras

http://revistapegn.globo.com/Revista/Common/0,,EMI327313-17180,00-POR+TRAS+DE+GRANDES+EMPREENDEDORES+EXISTEM+TAMBEM+EMPREENDEDORAS.html

Por Rafael Farias Teixeira
.Editora Globo
Da esquerda para a direita: Flávia Sampaio com Eike Batista e Lisa Bettany com Pete Cashmore
Você já deve ter escutado muitas vezes que “por trás de todo grande homem há uma grande mulher”. Isso é verdade em muitos casos, incluindo no de grandes empreendedores como Mark Zuckerberg, criador do Facebook, e Biz Stone, fundador do Twitter.

Apesar de terem suas imagens ofuscadas pela fama dos seus parceiros, todas essas mulheres também tiveram o espírito empreendedor para tocar suas próprias carreiras. Fomos atrás das histórias de cinco dessas mulheres e mostramos abaixo o que cada uma delas tem construindo.

1. Priscilla Chan, mulher de Mark Zuckerberg
Priscilla conheceu Mark enquanto estudavam em Harvard. Eles namoraram por nove anos e resolveram se casar no começo de 2012. Priscilla se formou em biologia em 2007, para depois trabalhar como professora e, já em 2008, ingressar no curso de medicina na Universidade da Califórnia. A moça, que aprendeu espanhol e cantonês, incentivou Zuckerberg a aprender mandarim. A influência de Priscilla também chegou de forma positiva ao Facebook: segundo o próprio Zuckerberg, foi sua mulher, que está prestes a se tornar pediatra, que inspirou com que a rede social permitisse que os usuários informassem se querem ser doadores de órgãos. Em entrevista, o empreendedor disse: “Nossas conversas são geralmente sobre o Facebook ou sobre crianças e as crianças que ela conhece no trabalho. Ela as vê ficando doente e de repente um órgão doado aparece, e ela chega em casa com o rosto iluminado, porque a vida de alguém vai melhorar por causa disso.” 100 mil pessoas se declaram doadoras em apenas um dia.

2. Lisa Bettany, namorada de Pete Cashmore
A namorada do fundador do site especializado em mídias sociais Mashable não faz feio quando o assunto é currículo. A canadense começou sua carreira como modelo, para, há quatro anos, mudar para o outro lado das lentes e se tornar fotógrafa. Sua experiência no campo a estimulou a criar o aplicativo Camera+, um best-seller para iPhone. Não bastasse tudo isso, ainda se formou em jornalismo e fez mestrado em linguística. Ela pode ser vista na internet em várias fotos fofas com Cashmore – e até fez dois vídeos sobre o dia a dia do empreendedor.Em seu site, ela carinhosamente se refere a Cashmore como “minha metade mais famosa”.

3. Flávia Sampaio, namorada de Eike Batista
A advogada com pós-graduação em direito privado também se arriscou como empresária. Na primeira tentativa, abriu uma clínica de estética e bem-estar, a Beaux, em 2010, mas que fechou as portas um ano depois. Na segunda, neste ano, lançou um site de comércio eletrônico de moda, o PowerLook. Desde 2008, Flávia também é uma empreendedora social, com a ONG Instituto Consciência, que combate o analfabetismo no Morro dos Cabritos, em Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro.

4. Livia Stone, mulher de Biz Stone
Quando Livia se mudou com seu marido para a região de São Francisco, na Califórnia, há nove anos, resolveu fundar a Biz and Livia Stone Foundation, com o objetivo de dar suporte a educação e estrutura da comunidade, principalmente no que diz respeito à juventude. Segundo Biz, cofundador do Twitter, em um artigo para o Huffington Post, quando “nós dois encontramos professores apaixonados e estudantes ávidos que se mantêm positivos contra todas as probabilidades, nós enxergamos valor, e nós vemos um futuro brilhante”. Antes mesmo de embarcar em sua própria fundação, Livia sempre se voluntariou em instituições de proteção e conservação do ambiente. Um dos mais importantes foi no hospital e centro educacional Wildcare, em San Rafael, na Califórnia, que ajuda a cuidar de animais feridos e devolvê-los aos seus lares. Essa paixão pela vida animal também influenciou Livia a se tornar vegana.

5. Vanessa Rozan, namorada de Facundo Guerra
Se Guerra é considerado o rei da noite, dono de grandes casas noturnas e bares como Carnizeria, Volt e Lions Club, Vanessa, sua namorada, pode ser considerada a rainha da maquiagem. Tão conhecida quanto seu parceiro, a maquiadora é uma das fundadoras do Liceu de Maquiagem, escola e salão de beleza. Ela também participou de programas de TV como o Mais Você, dando dicas para mulheres de todo o Brasil. Sua carreira começou com a formação em comunicação social na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) e, depois, entrar na grande fabricante de maquiagens M.A.C., cresceu dentro da empresa e por seis anos foi maquiadora sênior da marca na América Latina. Neste ano, o casal teve sua primeira filha, Pina. 

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Tempo de pechincha!

Pessoal, como adoro sair garimpando por ai, por que não dividir com vocês!
Selecionei algumas dicas para não precisar sair correndo por ai ensandecida procurando vários presentes para o Natal.
Espero que gostem!



Havaianas

Loja especial na Rua Oscar Freire, atendimento excelente e muitas opções.



Natura

Espaço maravilhoso também na Rua Oscar Freire, variedade!







Rosa mundo (um verdadeiro charme!)

http://www.rosamundo.com.br/Conteudo/Produtos.aspx?idTipo=30
Pote de Cerâmica "Maizena" redondo
Pote de Cerâmica "Maizena" redondo

Tok Stok

Natal glacê jogo americano
http://www.tokstok.com.br
Preço Loja: R$6,90  Você compra e retira nas lojas Tok&Stok.

Cacau Show

Para os chocólatras como EU!
www.cacaushow.com.br/

Foto


O Pássaro

A grande autora da família! A promoção prevalecendo até o Natal é esta aqui: http://samantaholtz.blogspot.com.br/2012/10/promocao-de-natal-o-passaro.html


Empório San Pietro - Cerquilho/SP

https://www.facebook.com/emporio.sanpietro

Foto: Dezembro chegou, e o Papai Noel já esta no Empório San Pietro com muitas novidades, venha nos visitar.



Bjs logo tem mais!

Glau

Você no Vídeo da Nova Arena!

Aos Palestrinos!

Você no Vídeo da Nova Arena

23/11/2012: vencedores do Concurso Cultural gravam o novo vídeo com o ídolo Marcos


    

Árvore divertida!


Árvore de pirulitos

Por:
Joana Limaverde
http://www.bemsimples.com/br/artesanato/75961-arvore-de-pirulitos
Árvore de pirulitos

Você precisa de:

Cone de isopor
Tinta acrílica verde
Papel celofane verde e vermelho
Papel seda verde
Pirulitos
Fita adesiva transparente


Passos

1
Pinte o cone de isopor com a tinta acrílica verde. Deixe secar.
2
Corte quadrados de papel seda verde e celofane vermelhos e verdes.
3
Pegue quadrados de papel celofane e seda verdes, fure o centro dos quadrado com o palito do pirulito, e cubra-o prendendo a parte superior com a fita adesiva transparente. Repita esse procedimento com a maioria dos pirulitos.
4
Pegue um quadrado de papel vermelho, cubra o pirulito e prenda-o a partir da base com a fita adesiva. Repita este passo com alguns pirulitos.
5
Espete todos os pirulitos forrados com papel verde por todo o cone de isopor. Cobra-o completamente. Intercale com alguns pirulitos forrados de papel vermelho como se fossem bolas de Natal.

terça-feira, 20 de novembro de 2012

ADOTE UM VIRA LATA!




Dicas para Adoção do seu Vira Lata


Assim como muitos falam, fazendo referência aos filhos, que quem ama educa, quando se tratamos de animais, podemos dizer que quem ama cuida.
Cuidar não se restringe a dar comida e água. Cuidar é um ato de coragem, pois você gasta energia, tempo e dinheiro em prol da vida de um animal e nem todas as pessoas possuem o coração aberto para isso.
 Realmente o coração deve estar aberto! É uma decisão a ser tomada com consciência, pois não deve ser o presente de aniversário, o agrado da família ou a resolução dos seus problemas, mas é a garantia de um amigo para a vida toda que te aceitará independente da sua classe social, etnia ou faixa etária e o que você tem de fazer é amá-lo da mesma forma, não olhando a raça ou a idade.
Você tem que ter a certeza, que assim como o ser humano, seu cachorro envelhecerá e vai perdendo as forças e muitas outras habilidades, podendo até ficar doente, mas quem realmente ama seu amigo, vai estar ao sempre ao seu lado assim como ele sempre esteve ao seu.
Você também pode ter a vontade de adotar um filhote, mas com certeza, poderá estar perdendo a oportunidade de ter um amigo já crescido, que se adaptará mais rapidamente a vida que você leva além, de ajudar aquele cão que pode ter passado por um trauma de abandono.
Para que você tenha o privilégio de ter esse amigo não precisa de dinheiro, e sim de responsabilidade e vontade de amar.

IMPORTANTE
Assim que adotar seu amigo você deverá:

  • Levá-lo ao veterinário e fazer um check-up, assegurando que está tudo bem com ele. É importante também, que verifique se as vacinas estão em dia;
  • Registrá-lo. Hoje, em algumas cidades, os animais que não são registrados, quando transitando em ambientes públicos podem apreendidos e os respectivos donos multados. não há nada melhor do que seguir a legislação, afinal, lutamos para que os animais tenham seus direitos;
  • Geralmente, os cães estão disponíveis para doação estão castrados, porém se não estão, é importante que você o castre, evitando assim crias  indesejadas. Castrar é um bem que você está fazendo para seu cãozinho!
  • A adoção de um animal deve ser feita de comum acordo entre todos os membros da família;
  • Sempre supervisione o contato entre cães e crianças para a segurança de ambos.

ALGUNS CUIDADOS IMPORTANTES PARA ASSEGURAR A SAÚDE DO SEU AMIGO


  • Escolha um recipiente, para bebida e outro para comida de um tamanho pertinente ao do seu animal;
  • Troque a água frequentemente, mesmo que, ele não tenha consumido tudo;
  • A ração deve ser escolhida de acordo com a opinião do seu veterinário;
  • Ofereça brinquedinhos ao seu cachorro, assim ele evita morder os objetos da sua casa. Escolha brinquedos indestrutíveis e cuidado com o tamanho para que ele, na euforia, não venha a engolir;
  • Escolha bem a coleira do seu amigo. Para cachorros menores é indicada a coleira peitoral, que é mais confortável. As coleiras tipo “enforcador” servem para cachorros maiores porém, fique atento para que não machuque seu amigo quando puxá-lo;
  • Para aquecê-lo, escolha uma manta simples, o importante é mantê-lo quentinho;
  • A casinha do seu amigo deve garantir que ele se movimente com facilidade;
  • Assegure que o local que você escolheu para seu animal, não seja fácil para fugas;
  • Dê quinzenalmente banho com água morna em seu cachorro. De preferência utilize xampu e sabonete próprios para cachorros;
  • Aplique mensalmente anti-pulgas;
  • Caso adote um filhote, informe-se com seu veterinário todos os cuidados especiais que você tem que tomar;
  • Se você tiver outro animal em sua casa, tenha paciência, tentando, aos poucos, fazer a interação entre os dois. Eles devem sentir que ambos são especiais para você. Neste processo, é importante que na sua ausência eles permaneçam em ambientes separados;
  • Dedique um tempo ao seu cachorro, leve-o para passear regularmente. Passear faz bem ao cão e ao dono.

ATENÇÃO: Pode ser que nos primeiros dias após a adoção, o cachorro fique apreensivo, é normal, ele ainda está se acostumando com o novo lar. Portanto, com carinho, paciência, atenção e cuidados você vai construindo uma boa relação com seu animal e assim, ele vai passar a te respeitá-lo e, mais que isso, amá-lo, justamente como você é !!!

http://www.adoteumviralata.com.br/divulgue

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Você também vai envelhecer. Aceite!

http://revistatpm.uol.com.br/revista/125/reportagens/voce-tambem-vai-envelhecer-aceite.html
Cabelo branco, experiência, ruga, bigode chinês, história pra contar, flacidez. Hein?
Nome: Céu - Idade: 32 anos - Profissão: cantora - Medo de envelhecer:  “Ficar surda” - O que fez com o 1º cabelo branco: “Arranquei, mas o segundo deixei  por medo de que viessem outros”
Nome: Céu - Idade: 32 anos - Profissão: cantora - Medo de envelhecer: “Ficar surda” - 
O que fez com o 1º cabelo branco: “Arranquei, mas o segundo deixei por medo de que viessem outros”
Um dia ela acorda e o rosto caiu. A bunda também. O fôlego acabou, ninguém mais virou o pescoço na rua e os fios brancos tomaram conta. Na cabeça da mulher brasileira há espaço para esses e muitos outros medos quando o assunto é envelhecer. Eles moram escondidos atrás do “eu não penso muito no assunto” e são responsáveis por deadlines autoritários (precisa ter tudo antes dos 35), angústias e gastos altos com o dermatologista. E o mais surpreendente: as preocupações com o envelhecimento começam cedo. Muito cedo.
Em uma pesquisa realizada pelo Datafolha em dezembro de 2011 em São Paulo, quase metade dos entrevistados entre 16 e 25 anos confessou ter medo da velhice. Entre os maiores de 56 anos, no entanto, apenas um quarto admitiu sentir o mesmo.
Para entender por que o medo e as expectativas em relação à velhice começam tão cedo, Tpm ouviu mulheres de perfis diferentes: a cantora Céu, 32 anos, a atriz Isabel Wilker, 27, a jogadora de vôlei Jaqueline Carvalho, 28, e a chef Renata Vanzetto, 24. Elas aceitaram ver seus rostos alterados, com marcas que ainda não existem (as fotos desta reportagem foram ampliadas, dobradas para simular rugas e marcas de expressão e refotografadas). Falaram de perdas e ganhos, rugas, trabalho, família e do “fim” – a morte ainda é um tabu poderoso.
O Brasil é campeão mundial em cirurgia de pálpebras. No Botox, perdemos apenas para os Estados Unidos
Jovens, elas são o retrato da geração que investe em beleza preventiva, amparada pela oferta de produtos e pela orientação médica. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os brasileiros vivem 25,4 anos a mais hoje do que em 1960. Mas, a julgar pelo boom de intervenções estéticas, é como se não tivessem se acostumado à nova realidade. O país é o número um do mundo na blefaroplastia, cirurgia que tira a pele envelhecida das pálpebras, e também no enxerto de gordura no rosto, usado para preencher rugas. Os dados, da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (Isaps), mostram também que, no uso da toxina botulínica, ficamos atrás apenas dos Estados Unidos. Para a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), não há restrições para a aplicação do Botox a partir dos 30 anos – seu uso “preventivo” tenderia a ser mais eficaz do que aplicações iniciadas aos 40. 
Mesmo quem não procura fazer o impossível, parar a natureza, tenta atenuar os efeitos do tempo. Renata, nascida e criada na praia, não toma mais sol sem protetor. Por outro lado, se apoia no metabolismo acelerado para comer até quatro porções de chocolate por dia. Daqui a dez anos, ela sabe, o corpo pode não aguentar o mesmo ritmo. “Minha mãe não come carboidratos à noite há mais de 20 anos. Sinto que um dia também farei sacrifícios.” Jaqueline e Isabel usam creme antissinais desde que completaram 25 anos. Céu tenta preparar o espírito para a mudança de visual. “Aos 40, espero estar de bem com as minhas ruguinhas”, diz. O que, em especial num país como o Brasil, não é tarefa assim tão fácil.
“Torço pela sabedoria de enxergar o melhor foco para cada momento” Céu, cantora 
“A juventude aqui é apresentada como a verdade através da qual se consegue visibilidade, estima e aceitação social”, explica o psicanalista e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Sócrates Nolasco. O que agrava o quadro, segundo ele, é a falta de postura crítica do brasileiro. “Somos incapazes de relativizar as cobranças que recebemos da publicidade, e buscamos sempre a aceitação do grupo”, diz. “O brasileiro sozinho é malvisto e, por isso, passa maior parte do tempo dentro de algum grupo. A demora para se emancipar emocional e financeiramente da família colabora para que [as pessoas] não aprendam a ter opinião própria.” 
Alex Batista
Nome: Isabel Wilker - Idade: 27 anos - Profissão: atriz - Medo de envelhecer: “Não me tornar uma grande atriz” - O que fez com o 1º cabelo branco: “Não dei bola”
Nome: Isabel Wilker - Idade: 27 anos - Profissão: atriz - Medo de envelhecer: “Não me tornar uma grande atriz” - O que fez com o 1º cabelo branco: “Não dei bola”
Limites da medicina
Talvez as coisas estejam começando a mudar. Em julho deste ano, o Conselho Federal de Medicina emitiu um parecer em que não reconhece terapias antienvelhecimento que se utilizam de hormônios. O argumento é que esses tratamentos – que usam testosterona, cortisona, melatonina – não têm benefícios comprovados e trazem riscos aos pacientes. No texto, além de causar um revés importante em um tratamento que vinha se popularizando no Brasil, o conselho foi além e lembrou: “O envelhecimento é uma fase do ciclo normal da vida, não devendo ser considerado doença que necessita intervenção medicamentosa”.
Ainda assim, os consultórios de dermatologia estão lotados de pessoas querendo parar a ação do tempo. E a especialidade cresce em ritmo acelerado. De 2010 para 2011, a procura pelo teste que confere o título de dermatologista cresceu 40%, segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia. Um levantamento feito pela entidade mostra que a grande maioria de seus membros atende à demanda por juventude: 84% aplicam toxina botulínica em seus consultórios. O Botox é o tratamento mais popular para atenuar o envelhecimento cutâneo no Brasil, seguido de preenchimento com ácido hialurônico e laser. A SBD orienta os médicos a sugerir intervenções apenas depois de ouvir a queixa do paciente. Na prática, não é sempre isso o que acontece. 
A antropóloga Mirian Goldenberg sabe como é isso. Aos 40 anos, ela foi pela primeira vez à dermatologista querendo orientações sobre hidratação e proteção contra o sol. Lá, ouviu uma lista de defeitos que não enxergava em si mesma. “Ela me sugeriu preenchimento ao redor dos lábios, Botox na testa e correção nas pálpebras. Eu não via nada daquilo no meu rosto!”, lembra. Nos seis meses que se seguiram à consulta, Mirian entrou em crise – e depois a superou, sem ter feito nenhuma intervenção no rosto. 
“O botox diminui o ritmo do envelhecimento, só. A ideia nunca é ter 50 e parecer 20”, Bruna Felix Bravo, dermatologista
Outro aspecto em que teoria e prática diferem é o momento certo de parar. “[O Botox] apenas ajuda a diminuir o ritmo do envelhecimento. A ideia nunca é ter 50 parecendo 20”, afirma a dermatologista Bruna Felix Bravo, coordenadora do Departamento de Cosmiatria da Sociedade Brasileira de Dermatologia – Regional Rio de Janeiro. Mas, como a decisão obedece a uma vontade estética, exageros são comuns mesmo com orientação médica. “Não gostaria de ser uma dessas pessoas que lutam com força contra os anos”, afirma a cantora Céu. “Elas não ficam com cara de mais novas. Só ficam com cara de quem está lutando.”
Essas senhoras da revolução botulínica de que Céu fala são um elemento novo no cenário urbano brasileiro. Mas, se as injeções semestrais podem trazer satisfação pessoal a mulheres desgostosas de suas rugas, elas são vistas com ressalvas por quem estuda o assunto.
É o caso da antropóloga Andrea Lopes, doutora em gerontologia e coordenadora do grupo Envelhecimento, Aparência, Imagem e Significativo, da Universidade de São Paulo (USP). “Faltam imagens reais e, principalmente, diferentes umas das outras”, pontua. Em vez de diversidade, temos uma bipolarização. Até a década de 70, ser velho era sinônimo de decadência, doença, asilo. Aí, no final do século 20, surge uma imagem superpositivada, dos velhinhos que podem tudo. São duas inverdades cruéis com quem tem de envelhecer”, diz.
Essas pessoas que têm de envelhecer, no caso, são todas. Você, eu, todo mundo. Por mais difícil que pareça. Num encontro de amigas, a jogadora Jaqueline quase jogou um celular longe quando uma delas incluiu sua foto em um aplicativo que envelhece retratos. “Eu aparecia grisalha, cheia de rugas. Saí gritando ‘tira isso da minha frente!’.” Por mais que recuse essa imagem, Jaque não sabe ao certo como vai encarar a mudança no rosto. Se espelha em Luiza Brunet (leia a entrevista nas Páginas Vermelhas), mas reconhece que ela é exceção. 
“Temos duas imagens irreais: a da decadência e a dos velhinhos que podem tudo”, Andrea Lopes, antropóloga
De fato, o modelo da maturidade é algo que precisa ser reinventado. “Inclusive porque as pessoas que estão entrando nos 60 anos cresceram num mundo que exaltou a juventude. Elas não são um bom exemplo de como lidar com o tempo”, lembra Andrea. A exaltação a que se refere é a de ícones como os Beatles e Elvis Presley, de bordões como “Não confie em ninguém com mais de 30”, “O Brasil é o país do futuro” e da revolução dos costumes, movimentos em que os jovens encamparam o poder e transformaram pais e avós em imagens a não ser seguidas.
Alex Batista
Nome: Jaqueline Carvalho - Idade: 28 anos - Profissão: jogadora de vôlei - Medo de envelhecer: “Perder a mobilidade” - O que fez com o 1º cabelo branco: “Pintei”
Nome: Jaqueline Carvalho - Idade: 28 anos - Profissão: jogadora de vôlei - Medo de envelhecer: “Perder a mobilidade” - O que fez com o 1º cabelo branco: “Pintei”
Novas velhas
Uma maneira de encarar a questão, para muitas mulheres jovens, é procurar uma nova relação com a passagem do tempo. “Penso muito no assunto”, diz Céu. “Será que vou entender a hora de parar de fazer música? Será que vou querer curtir meus netos? Torço pela sabedoria de enxergar o melhor foco para o momento”, afirma. Mesmo assim, os receios vêm junto. “Tenho medo de ficar surda, porque uso o fone in-ear e, quando o técnico erra, o som estoura dentro do ouvido. Também tenho medo de ter vícios de comportamento, de me tornar ainda mais esquecida do que sou.” Para Isabel Wilker, a aflição é profissional. “Tenho medo de chegar aos 50 e ver que não fui a boa atriz que quero ser.” 
O receio tem a ver com a fase atual da carreira. Há dois anos, ela decidiu seguir a profissão dos pais, os atores José Wilker e Mônica Torres. Está feliz com a decisão, mas se pergunta se não veio atrasada. “Bati o martelo com 25 anos, enquanto colegas estão na profissão desde os 18. Para alguns papéis, já sou velha”, conclui ela, que se formou em letras, iniciou um mestrado na área, foi modelo e apresentadora e fez cursos de interpretação em Londres. Aos 27, vê que o tempo de indefinições está chegando ao fim. “É como se você passasse a ter menos espaço de manobra”, afirma. E, ao mesmo tempo, sem poder olhar para trás e enxergar realizações importantes. “Fico nervosa”, solta, cerrando os dentes. 
“Para alguns papéis, já sou velha demais. Às vezes me sinto atrasada”, Isabel Wilker, atriz 
Sentir-se velha bem antes de sê-lo é algo que Jaque conhece bem. Por causa da carreira curta que o vôlei proporciona, a atleta precisa pensar, antes dos 30, na sua aposentadoria. “Estou mais perto do fim do que do início. Se sofresse uma contusão agora, teria que repensar o esporte”, pondera. 
A antropóloga Mirian Goldenberg aprofunda seus estudos no intervalo que existe entre a “era de ouro” dos 20 anos e a morte. E, se tudo der certo, ele pode ser grande. “Minha próxima pesquisa é sobre os aspectos positivos do envelhecimento. Os negativos existem, mas já foram muito abordados”, conta. Ela identificou que a fase dos 30 aos 50 é a mais sofrida para a mulher, nesse quesito. “Se ela tem 35 e quer ter filhos, sofre muito. Depois, aos 40, vê que passou a vida investindo no corpo e, de repente, se sente invisível. Já depois dos 50, vejo uma queda grande na frustração”, explica. Um dado inédito dessa pesquisa, no entanto, surpreende. “Quando pergunto para homens e mulheres de todas as idades quem envelhece melhor, todos respondem: ‘Os homens’. Mas hoje um grupo está discordando disso: são as mulheres de 60! Elas chegam lá e veem que estão ótimas, bem cuidadas, ativas, felizes, olham para o cara do lado e não o acham tão bem assim. Esse dado é revolucionário!” Estudando o tema há seis anos, a antropóloga criou uma espécie de manifesto pessoal contra a neura de envelhecer. “Se você vai viver até os 90 e começa a sofrer aos 20, pense bem...”
Alex Batista
Nome: Renata Vanzetto - Idade: 24 anos - Profissão: chef  de cozinha - Medo de envelhecer: “Engordar” - O que fez com o 1º cabelo branco: “Não apareceu ainda”
Nome: Renata Vanzetto - Idade: 24 anos - Profissão: chef de cozinha - Medo de envelhecer: “Engordar” - O que fez com o 1º cabelo branco: “Não apareceu ainda”
A proximidade do fim
Isabel cresceu ouvindo a mãe dizer que envelhecer era uma droga, mas que a alternativa (morrer) era bem pior. Mesmo assim, só começou a pensar no assunto depois que a ideia da morte deu uma trégua. “Quando tinha 4 anos, um amiguinho morreu num acidente de carro. A partir dali, por anos, achei que fosse morrer a qualquer hora. Estava convencida de que não ia dar tempo de envelhecer”, lembra. Só depois de muita psicanálise, iniciada na infância, ela passou a entender que tem mais tempo para viver. E precisa, agora, lidar com ele.
Na vida da chef Renata, ao contrário, a morte entrou de supetão. Ela não pensava muito na finitude até que, em abril deste ano, perdeu o namorado, o italiano Luigi Nemi, em um acidente de mergulho no litoral paulista. Renata e Luigi moravam juntos havia um mês. “Ainda não sei que conclusões estou tirando dessa história, que me arrasou. Penso muito mais na fragilidade da vida, na morte e, às vezes, penso que ele vai ser o forever young, o cara que ficará sempre igual.” Em julho, ela incluiu uma menção a ele no cardápio de sobremesas de seu restaurante, o Marakuthai, onde se lê: “Os doces são uma homenagem a Luigi Maria Ucelli Di Nemi, que gostava de fazer doces porque, ao ver as pessoas comendo, elas sorriam... A vida é curta, comece pela sobremesa!”. 
“As mulheres de 60 são as únicas a dizer: os homens não envelhecem melhor, não”, Mirian Goldenberg, antropóloga
Depois do drama, Renata entende mais ainda que a vida depende do ângulo de visão. “Eu poderia ter me afundado, mas tentei encarar de forma natural. Agora, fiquei mais alerta, com mais medo. Ao mesmo tempo, comecei a entender que isso faz parte da vida, que muitas pessoas morrem todos os dias.” É essa mesma posição que ela decidiu adotar em relação ao envelhecimento: “Não tenho como fugir. Basta aceitar”. 

terça-feira, 2 de outubro de 2012

10 Culpas de Mães

http://revistapaisefilhos.com.br/sendo-pais/culpa,nao/culpas-de-maes


10 Culpas de Mães

Dez blogueiras contam as dez coisas que as deixam mais culpadas como mães

A blogueira de hoje é Isabela Kanupp, mãe de Beatriz, de dois anos. Ela escreve para o Para Beatriz. Você pode acompanhá-la no twitter também, siga @maedemerda .
1 - Prometer algo e não cumprir.
Eu tento ao máximo cumprir o que prometo para a Beatriz, porém algumas coisas não ficam ao meu alcance, ou não dependem apenas de mim;

2 - Quando a Beatriz cai da cama.
Sei que é algo que não está ao meu controle e é uma das culpas mais bestas que sinto, porque realmente não é algo que eu posso controlar, mas, geralmente, quando acontece eu me culpo;

3 - Quando a Beatriz me pede algo e eu não posso comprar.
Seja porque não tenho a quantia necessária ou porque ela pediu um danone e são 23h e não tem nada aberto;

4 - Quando preciso viajar e não posso levá-la comigo.
Sinto-me culpada porque penso "ela iria adorar estar aqui/ver tal coisa";

5 - Quando a Beatriz fica gripada.
E por coincidência - ou não - saímos no dia anterior e ela tomou "friagem";
Veja as 10 culpas de Patrícia Smith, mãe de Adam, do blog Mundo Ovo

6 - Quando ela chora para ir para a creche.
Porém, eu preciso mandá-la, pois tenho algum compromisso durante o dia;

7 - Quando eu preciso deixá-la dormindo na casa de alguém.
Geralmente na casa da minha tia, por mais que eu confie, sempre me sinto culpada por não ter outra opção;

8 - Quando, por algum motivo, eu perco o controle e grito.
Sou contra bater assim como sou contra gritar, mas, às vezes, perco o controle;

9 - Quando sei que poderia ter feito algo melhor e não fiz.
Em relação a Beatriz, a culpa sempre vem quando eu sei que poderia ter feito algo melhor;

10 - Quando planejo algo com a Beatriz e não dá certo.
Geralmente, quando planejo de levá-la a algum lugar, um passeio diferente e, por algum motivo (como comprimisso que nao da para adiar), eu não consigo ir.

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

30 Coisas Para Se Fazer Antes dos 30

http://multishow.globo.com/_30-Coisas-Para-Se-Fazer-Antes-dos-30/index.shtml


Bruno De Luca lança um autodesafio: '30 coisas para se fazer antes dos 30'

Estreia dia 13 de julho, às 22h
Ele completou 30 anos e não pensou que esta nova fase da vida teria um peso tão grande, além do desejo de tantas realizações: voar de asa-delta, dirigir uma Ferrari, um salto no trapézio de um circo, uma visita ao INCA, entre tantas outras. “30 coisas pra se fazer antes dos 30” é o novo programa do apresentador Bruno De Luca, que estreia dia 13 de julho, às 22h, no Multishow.

As “30 coisas” partiram dessa ideia: o que falta fazer antes de completar 30 anos? Bruno fez uma lista de atividades que gostaria de realizar: desde coisas simples como organizar uma despedida de solteiro e participar de uma pool party a tarefas mais complexas como aprender a fazer um prato super elaborado com a chef Flavia Quaresma, para oferecer como jantar a uma amiga especial.

Visitar o INCA também era uma tarefa que desejava muito cumprir: “Sempre ouvi dizer que esse lugar te deixa muito impressionado, pela força dos pacientes em superar uma doença tão séria. Queria muito ver isso de perto. Gostei tanto que acabei me tornando um membro do Instituto”, conta De Luca.

Outra coisa que não poderia ficar de fora do programa: tocar guitarra numa banda de rock em um show lotado. “Aos dez anos cismei que queria ter uma banda e tocar guitarra. Minha mãe comprou o instrumento e fiz aulas. Mas, com o corre-corre das gravações, o colégio – e, quem sabe, até uma noção de que ser guitarrista não era o meu forte - resolvi desistir. Mas, e a emoção de tocar numa banda de rock num show lotado? Vou fazer isso antes dos 30. E fiz. Toquei num show da banda NX Zero para 30 mil pessoas!”

Listando as atividades, Bruno conclui: “O quanto sou feliz por fazer o que gosto e como eu me sinto realizado, ainda tão jovem. Não se pode desistir dos desejos, por medo ou por achar que não temos mais tempo.”

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Cinco opções de negócios para abrir em casa!

 Shutterstock
Brigadeiro Gourmet
O doce caracteristicamente brasileiro ganhou roupa de gala, com novos sabores e embalagens sofisticadas que deixam as tradicionais forminhas como coisa do passado. A guloseima ganhou status de presente e, com isso, atiçou as colheres de pau de todo o país.
Quando Fernanda Silveira começou no ramo, há três anos, o brigadeiro gourmet ainda não fazia parte do vocabulário das doceiras. Apesar de ser formada em letras e direito e de já ter atuado profissionalmente como professora e advogada, foi trabalhando em casa que ela se encontrou. Bem afamada por seus dotes de cozinheira em Uberlândia (MG), onde reside, começou a ganhar clientela quando sua irmã a contratou para fazer os doces do seu casamento. A então advogada viu a chance de conciliar o novo ofício com a sua recém condição de mãe e começou informalmente. Fernanda conta que no início fazia todos os tipos de doce, o que, em Minas Gerais, a tornava apenas mais uma entre tantas. Como sua receita de brigadeiro era bem elogiada, fez uma pesquisa na internet e conclui que se especializar apenas em um doce poderia ser um diferencial. Abriu então a Amor de Brigadeiro.
Desde o início da ideia, a doceira quis profissionalizar o produto e por isso investiu em logomarca, site e embalagem. “Tem gente que pensa que eu tenho loja, só por conta do visual do site”, conta. Fernanda lembra, no entanto, que usar produtos de boa qualidade é o cerne da venda “Embalagem é importante, mas o mais importante mesmo é o gosto.”
Uma boa dica é fazer parcerias com lojas locais para a revenda dos doces. A Amor de Brigadeiro também vende pela internet para diversos estados do Brasil. “Desenvolvemos uma embalagem apropriada. Só tivemos dois casos que chegou com avarias. Até para Belém já enviamos”, diz Fernanda. Além de fornecer muito para casamentos e festas de toda a região, outra frente de trabalho detectada foi o fornecimento de brigadeiros com embalagens personalizadas com a logomarca de empresas.
http://revistapegn.globo.com/Revista/Common/0,,EMI228827-17191-1,00-CINCO+OPCOES+DE+NEGOCIOS+PARA+ABRIR+EM+CASA.html